quinta-feira, 29 de julho de 2010

Recycled Plastic Bottle Boat

A vessel made entirely of plastic bottles has docked in Sydney after a four month voyage from San Francisco. The crew onboard "Plastiki" is spreading the message that plastic is destroying our oceans. The recycled catamaran is made from nearly 13,000 recycled plastic bottles and held together by glue made from cashew nuts and sugar. The crew set off from San Francisco in March for an 8,000 nautical mile voyage.

The arrival was extra special for crew member Vern Moen who met his new baby, born while he was at sea. "It was very, very surreal to get off at the dock and it's like here's your kid," Moen said. There are about 13,000 pieces of plastic floating in every square mile of the ocean and the toxins are filtering into the food chain. The "Plastiki" will be on display on for the next month at the National Maritime Museum in Darling Harbor. (Dylan Malfa -Channel 2 News)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Previsão de safra 2010

A sétima previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2010, tendo como referência o mês de junho, apresentou, em relação a 2010, uma variação de +33,90% na produção, -1,29% na área plantada, +1,13% na área colhida (hectares) e 32,64% no rendimento (kg de castanha por hectare). A partir destes dados, o site Cajucultura organizou tabelas por unidade da federação com as respectivas previsões. Veja mais detalhes no link Previsão no Brasil.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar passa a dar descontos

A partir desta safra (2010/2011), serão concedidos bônus (descontos) do Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar (PGPAF) nos financiamentos de investimento no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar independente da data de contratação, inclusive para as operações contratadas antes de 1º de julho de 2008. A medida é válida para o pagamento de parcelas com data de vencimento a partir de 10 de julho de 2010. O PGPAF, criado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) em 2006, possibilita que o agricultor familiar pague os financiamentos de custeio e investimento com um bônus, que corresponde a diferença entre os preços garantidores e o preço de mercado, nos casos em que o valor do produto amparado pelo Programa esteja abaixo do preço de garantia.
Serão beneficiados aproximadamente 2,6 milhões de contratos, totalizando R$ 16 bilhões que serão amparados. A medida foi aprovada durante reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), de 22 de julho de 2010.
Com a mudança, agora, quando o agricultor familiar for pagar uma parcela da operação de investimento do Pronaf, caso o produto gerador da renda para o pagamento deste investimento esteja incluída no PGPAF, poderá ser concedido um bônus. Este desconto será concedido sobre o valor da parcela ou das parcelas (caso tenha mais de uma operação) com vencimento no respectivo ano.Atualmente, o Programa abrange: babaçu, açaí, borracha natural extrativista, pequi e piaçava, algodão, alho, amendoim, borracha natural, caprino de corte, ovinos de corte, castanha-do-brasil, carnaúba, girassol, juta, malva, sisal, sorgo, triticale, arroz, café conilon, café arábica, inhame, cará, castanha de caju, cebola, feijão, leite, mamona, milho, pimenta-do-reino, mandioca, soja, tomate, trigo, uva, banana, maçã abacaxi e cana-de-açúcar.

Cálculo do PGPAF
O bônus do PGPAF é calculado mensalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado pela SAF/MDA. A Conab faz um levantamento nas principais praças de comercialização dos produtos da agricultura familiar e que integram o PGPAF. Os bônus das operações de custeio e investimento ficam limitados a R$ 5 mil anuais por beneficiário do crédito rural.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Assist farmers to improve earnings

The plight of our cashew nut farmers makes a mockery of the fact that our country is one of the largest producers of the cash crop in the East African region, exporting more than 60,000 metric tonnes every year. The farmers continue to wallow in abject poor, when they should be enjoying the fruit of their labour.
About 80 per cent of the produce is exported in raw form, and, therefore, fetches prices that are 20 per cent lower than if processed. A tonne of raw cashew fetches $1,200, while that of processed nuts goes for $5,000 in the world market. Unfortunately the story is the same for other crops.
Countries such as India, where most of the raw nuts are exported, have been cashing in handsomely by processing, packaging and selling the nuts to lucrative markets in the US, Europe and Japan. But there appears to be light at the end of the tunnel, as the government and other stakeholders, including private companies, are now determined to increase the processing capacity. To begin with the government has increased the raw cashew nut export duty from 10 per cent to 15 per cent to encourage processing locally.
As we welcome the government’s decision, we think a lot more should be done to put the country in a comfortable situation. The local processing capacity is still minimal. There is a need to enable small-scale farmers to semi-process their produces in order to get better prices.
Some cooperatives in Mtwara have already acquired small processing plants, but they lack access to loans to buy more plants. Efforts should also be made to revive collapsed processing and packaging plants to increase the capacity of large processors.The drive to increase local processing capacity should also go together with widening the search for new markets. There is an increasing middle-class in emerging economies of Brazil, China and India and Russia, which our producers should target. Being a country with friendly ties we all these countries, here is an opportunity we can’t afford to miss.
One of the reasons why Tanzania and other African countries are filthy poor is their inability to exploit their vast potential in natural resources. Revamping agro-processing is a way out of this stagnation (The Citizen, Thursday, 22 July 2010 08:52).

domingo, 25 de julho de 2010

Detalhes do Projeto de Expansão e Recuperação da Cajucultura no Ceará

O Projeto de Expansão e Recuperação da Cajucultura terá atuação em cinqüenta e sete (57), municípios integrantes dos quatro (04) pólos da cajucultura, a saber: POLO 1: Pacajus, Chorozinho, Horizonte, Itaitinga, Barreira, Ocara, Cascavel, Aquiraz, Aracoiaba, Pindoretama, Redenção e Acarape. POLO 2: Aracati, Icapui, Itaiçaba, Beberibe, Fortim, Palhano, Morada Nova e Russas, Jaguaruana, Ibicuitinga, Limoeiro do Norte, Tabuleiro do Norte, São João do Jaguaribe e Potiretama. POLO 3:Itapipoca, Caucaia, São Luiz do Curu, Umirim, São Gonçalo do Amarante,Tururu, Amontada, Trairi, Marco, Cruz, Bela Cruz, Itarema, Acaraú,Morrinhos, Jijoca, Paraipaba, Paracuru e Pentecoste. POLO 4: Camocim, Granja, Chaval, Barroquinha, Uruoca, Senador Sá, Moraújo, Santana doAcaraú, Martinópoles, Alcantaras, Massapê, Meruoca e Sobral.

ASSISTÊNCIA TÉCNICA E CAPACITAÇÃO a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATERCE, disponibilizará um quadro permanente de Técnicos e Agentes Rurais exclusivos para supervisionar, assistir e capacitar os participantes do programa.

INCENTIVOS FINANCEIROS O Governo do Estado do Ceará, através da SDA, repassará a quantia de R$7,00 (sete reais) e R$12,50 (doze reais e cinquenta centavos) por planta cortada e enxertada, tendo o perímetro do caule á altura de 50cm da base as seguintes dimensões: 10cm até 70cm e de 71cm até 1,50 metro respectivamente que será pago em duas parcelas, da seguinte forma: 1ª Parcela: 50% do valor correspondente às mudas cortadas, que será depositado em conta bancária do produtor. 2ª Parcela: será pago o valor correspondente ao percentual de novas copas em desenvolvimento, até o limite de 50% do valor inicialmente declarado. Caso o percentual de novas copas em desenvolvimento seja correspondente à 50% das plantas cortadas, não haverá saldo a ser repassado ao produtor. Na hipótese de novas copas em desenvolvimento seja igual a 50% das plantas cortadas, o produtor não terá saldo a receber.
Na hipótese do numero de plantas com copas em desenvolvimento, ser inferior a 50% das plantas cortadas, o produtor terá saldo negativo, ficando o Estado do Ceará, através da SDA com a faculdade de reclamar o débito administrativa e judicialmente.

CRITÉRIO DE PARTICIPAÇÃO DOS PRODUTORES Ser produtor familiar e portador de DAP; Ser receptivo a adoção das tecnologias difundidas pela ATER; Ser proprietário ou arrendatário da área de caju e que tenha plantas improdutivas e/ou áreas plantadas através de castanha (pé fraco); Assinar termo de adesão e termo de compromisso, emitidos pelo programa.

INSCRIÇÃO Os interessados deverão procurar os escritórios da EMATERCE que atendem aos municípios abrangidos pelo Programa, até o dia 15 de agosto do corrente ano.

COMO PARTICIPAR Nos municípios abrangidos pelo Programa, os interessados deverão procurar os escritórios da EMATERCE ou entrar em contato diretamente com a Coordenadoria do Desenvolvimento da Pecuária da Secretaria do Desenvolvimento Agrário em Fortaleza. As informações adicionais e ou complementares deverão ser obtidas nos escritórios da EMATERCE que atendem aos municípios abrangidos pelo programa.

sábado, 24 de julho de 2010

CAJUCULTURA PONTO COM

O site Cajucultura está de endereço novo: www.cajucultura.com Criado em 1998, esse é o primeiro site brasileiro a abordar exclusivamente temas voltados para a cultura do cajueiro. Este Blog também é pioneiro no Brasil no tema cajucultura, com a primeira postagem feita em 6 de março de 2006.

Recuperação da cajucultura

O Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria do Desenvolvimento Agrário, abriu inscrições para o Projeto de Expansão e Recuperação da Cajucultura no Ceará. O ojetivo é estimular e desenvolver a recuperação da cultura do caju, através de tecnologia de substituição de copas de plantas improdutivas das regiões litorânea e semi-árida no Estado do Ceará. Serão beneficiados 57 municípios, integrando 4 pólos de produção. A assistência Técnica e Capacitação, será feita pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATERCE, que disponibilizará um quadro permanente de Técnicos e Agentes Rurais exclusivos para supervisionar, assistir e capacitar os participantes do programa.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Os bastidores do novo clone de cajueiro anão

Vale a pena ler o último número da Revista Agroindústria Tropical, que traz os bastidores dos novos clones de cajueiro anão precoce. Eis o link Revista Agroindústria Tropical.

Cajucultura em Picos (PI)

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE, a previsão inicial de safra de castanha de caju no Piauí é de que cerca de 68 mil toneladas de castanhas. A grande região de Picos, envolvendo Pio IX, é uma das que possui maior expressividade na cultura do caju, compreendendo produção e comercialização do pedúnculo, detendo em torno de 52 a 55% da área de cultivo com cajueiro.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

SOS Cajucultura

Postagem de internauta:
"Meu nome Edilson Coutinho. Tenho Plantação de cajù. Que as plantações varia 30 anos á 5 anos de plantados.Minha produção caio 50%. Preciso de conhecimento, como mudas novas inrigação. preciso de acessoria na aréa.
meu e-email.

jose.edilson2@itelefonica.com.br

Sou da cidade de Piracuruca -PI"

Previsão de safra de castanha de caju em Moçambique

Moçambique deverá faturar cerca de 100 milhões de meticais com a exportação de castanha de caju in natura na presente safra agrícola 2009/2010, segundo dados do Instituto de Fomento de Caju (INCAJU).

Nesta safra, a produção da castanha de caju deverá ser de 95 mil toneladas, a maior quantidade conseguida nos últimos três anos, de acordo com Filomena Maiopué, diretora do INCAJU, apontando os fatores climáticos, o preço pago ao produtor e as campanhas de pulverização contra oídio, como os principais fatores para o sucesso da produção.

“Parte significativa daquela produção será exportada em bruto devido à insuficiente capacidade de processamento de toda a produção a ser alcançada”, realçou, estimando que cerca de 25 unidades de processamento estão ativas no país, situação que coloca Moçambique no grupo de países africanos com maior capacidade de industrialização da castanha de caju, segundo ainda Maiopué.

Moçambique registrou a maior produção de castanha de caju na década de 70, quando foram produzidas cerca de 200 mil toneladas/ano.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Triângulo da Castanha de Caju

Em Moçambique existe um local conhecido como "Triângulo da Castanha de Caju de Nampula", na fronteira com o distrito de Murrupula a oeste, Mogincual a leste, Moma a norte e Monapo a sul. Segundo estudo recente, existem na área cerca de 18 milhões de cajueiros, plantados e colhidos por agricultores comerciais e proprietários de pequena escala. Existem no Triângulo 12 unidades de processamento, empregando um pouco mais de 5 mil trabalhadores; diversas unidades de pequena escala; viveiros; pequenas lojas de máquinas; e produtores familiares que produzem, descascam e vendem os produtos ao longo das ruas.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Cashews may help those with diabetes

MONTREAL, July 15 (UPI) -- Cashew nut extract may improve the body's response to insulin, researchers in Canada and Cameroon suggest.

The researchers from the University of Montreal and the Universite de Yaounde in Cameroon analyzed the reputed health benefits of cashew tree products -- including leaves, barks and nuts, or seeds. They say cashew tree products have long been alleged to be effective anti-inflammatory agents, as well as having the ability to counter high-blood sugar and prevent insulant resistance in diabetics. The study, published in the journal Molecular Nutrition & Food Research, finds only cashew nut extract significantly stimulated blood-sugar absorption by muscle cells.

"Extracts of other plant parts had no such effect, indicating that cashew seed extract likely contains active compounds, which can have potential anti-diabetic properties," senior author Pierre Haddad of the University of Montreal said in a statement.

"Our study validates the traditional use of cashew tree products in diabetes and points to some of its natural components that can serve to create new oral therapies."

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Tanzânia eleva capacidade de processamento de castanha de caju

A Olam Tanzânia elevará o processamento de castanha de caju dos atuais 9 mil t para 25 mil t nos próximos doze meses, proporcionando a criação de 2 mil empregos diretos e indiretos.Atualmente a Olam emprega 7 mil pessoas nas diversas fábricas existentes naquele país.A Tanzânia produz 8% da produção mundial de castanha de caju e a maior parte da produção é exportada in natura.

domingo, 18 de julho de 2010

Exportações do RN: castanha lidera

O Rio Grande do Norte registrou um incremento de 10, 31% no valor de suas exportações no primeiro semestre do ano. Dos 21 principais produtos da pauta de exportação, 11 tiveram crescimento, com destaque para o agronegócio, com a castanha de caju liderando o ranking dos produtos mais rentáveis (R$ 41,92 milhões), seguida pelo açúcar (R$ 38,23 milhões e crescimento de 113,56%), melão (R$ 22,07 milhões) e banana (R$ 17,69 milhões).

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Safra cearense de castanha de caju

A previsão de crescimento da safra cearense de castanha de caju para 2010 é de 47,39% sobre a safra de 2009, com um volume de 153.907 toneladas (2010) contra 104.421 toneladas registradas em 2009.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Produção de castanha de caju em Moçambique atingirá 127 mil t em 5 anos

A produção de castanha de caju em Moçambique vai atingir 127 mil toneladas no prazo de 5 anos, resultado do plano nacional de distribuição intensiva de mudas de cajueiros. O sctor privado deve igualmente adotar um preço justo para a compra da castanha junto ao produtor, o que irá, em última análise, estimular o produtor a apostar forte na pulverização das plantas. O governo espera atingir este ano cerca de 54 mil toneladas de castanha de boa qualidade avaliada em 540 milhões de meticais ao preço atual de mercado.(macauhub)