segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Cai produção de castanha em Portalegre

Chuvas intensas e fora de época, são apontados como os principais fatores para a queda na produção de castanha de caju na serra de Portalegre (RN) na presente safra. Em 2008 a produção do município ultrapassou 2.200 toneladas de castanha, que poderá não ser alcançada este ano, considerando que até agora só foram produzidas 1.100 toneladas e a safra já está quase no final. Atualmente estima-se que mais de 700 pessoas na zuna rural trabalhem na colheita e transporte do caju naquele município.

domingo, 29 de novembro de 2009

Cashew in Tranzania

A study by the World Bank Dar es Salaam office has criticized the cashew nuts warehouse system, saying it does not help farmers get good prices and creates more liabilities to the government. The statement issued today by the World Bank comes a few days after Prime Minister Pinda called for reform of the system after it was the system had high cost for the cash crop. 'The World Bank is glad to share an analysis of the cashew nut sector in Tanzania that fully supports Prime Minister Mizengo Pindaís remarks, as reported this week, on the high cost of the warehouse receipts system for the cash crop, and the need for reviewing and reforming it,' said the statement.
The WB said although potentially beneficial, the implementation of the warehouse system, in its current format has failed to deliver on its promise of a ëgood priceí for cashew farmers.
'At present the farm gate to export price in Tanzania is close to its lowest level in 20 years, despite high world market prices. Moreover, the warehouse receipt system has led to large contingent liabilities for the taxpayers,'
The WB said the system has failed as a mechanism to reduce the market power of buyers with respect to framers, and it has created substantial contingent liabilities for the government because of the credit guarantees provided to the primary societies.
Also said in particular, it shows that the farmers are ultimately those who pay the price of the dysfunction of the system through a lower share of the world market price accruing to them. 'Cashews are an important export for Tanzania and an important source of income for small farmers in the southern coastal region.
However, the industry is not likely to expand further unless problems are addressed,' It is hoped that the new World Bank note can help the authorities and other stakeholders review the system to the benefit of the farmers, and lead to an expansion of the production and value addition in the sector.
To restore better margins for farmers and fully realize the potential of the sector to reduce poverty the study titled, 'State and Markets in Cashew Marketing: What Works Better for Tanzanian Farmers?' recommends urgent reform to the marketing system.

sábado, 28 de novembro de 2009

Castanha no Cariri Paraibano

Agricultores do município de Serra Branca, no Cariri Paraibano, estão utilizando a castanha para gerar uma renda extra, com a ajuda da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), através do Programa de Estudos e Ações para o Semi Árido (Peasa). Trata-se de um trabalho de extensão e beneficiamento com o objetivo de ampliar o leque de negócios utilizando a castanha e torná-la um produto com nível de exportação.
O processamento de castanha de caju é feito por um grupo de 21 famílias, envolvendo mais de 100 pessoas da Associação Comunitária Duas Serras, que estão produzindo castanha de caju cozida e torrada para comercialização. A produção mensal é de, aproximadamente, 130 quilos de castanha.
Cada associado trabalha dois dias por semana e ganha em torno de R$ 80 por mês, somente com o que é vendido nos pequenos estabelecimentos do município e de cidades circunvizinhas. O Peasa trabalha novos rótulos e embalagens para tornar o produto mais atrativo no mercado consumidor. A proposta é de inserir a castanha de caju de Duas Serras no catálogo de produtos do Cariri paraibano, de divulgação nacional.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

4ª CajuMel

Fortalecer a cadeia produtiva do caju e do mel com a difusão de novas técnicas e consequentemente aumento da produção e produtividade, além da melhoria dos produtos e serviços e incentivo ao empreendedorismo. Este é o objetivo da 4ª Cajumel – Feira do Agronegócio do Caju e do Mel, que acontece no município de Ocara, de 26 a 28 de novembro, na Praça de Eventos.

First ‘green’ cashew plant

Construction of an environmentally-friendly cashew-nut processing factory, the first of its kind in Vietnam, began in the southern province of Binh Phuoc on November 25. The VND100 billion project (roughly US$5 million) is also the first in Vietnam to solely use domestically-designed equipment and technology. The factory is scheduled to complete within the next three years and will be capable of processing 50,000 tonnes of products, including cashew oil, each year.
In addition to this project, the Dong Phu-based Ha My Company Ltd. has entered into a joint-venture with the Qua Solution Company of Japan to build a yogurt factory which is expected to roll out its first batch of products by 2012.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Caju em Nampula

Os produtores de castanha de caju da província de Nampula, em Moçambique, terão maiores lucros com a comercialização da produção após a instalação de uma unidade de processamento de sucos, mel entre outras guloseimas a partir do pedúnculo do caju.
A iniciativa da instalação da referida unidade localizada no posto administrativo de Itoculo, distrito de Monapo, é da Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo, ADPP, que para garantir matéria prima para a fábrica, plantou cajueiros numa extensão estimada em cerca de 115 hectares.
Na província de Nampula, estimativas apontam para mais de 250 mil famílias envolvidas na produção de castanha de caju. Os pomares que sofreram um forte revés devido a passagem do ciclone Jokwe há cerca de dois anos, estão sendo alvo de um processo de substituição incluindo as plantas com idade avançada e que registam uma produção abaixo de um quilograma, por mudas híbridas tolerantes a doenças e pragas.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Festival da Cajuína

De 25 a 27 de novembro, Teresina vai sediar um evento que destaca raízes culturais do Piauí. Será a primeira edição do Festival da Cajuína, que ocorrerá na Praça Pedro II, coração cultural da capital. O evento é uma realização da Cajuespi - Cooperativa dos Produtores de Cajuína do Estado do Piauí - tendo o apoio do Governo do Estado, do Sebrae no Piauí, da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Emater - Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural -, Codevasf - Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba -, Organização das Cooperativas do Estado do Piauí e Prefeitura de Teresina. O Piauí tem uma grande área destinada ao cultivo do caju nas cidades de São Raimundo Nonato, Picos e Paulistana. Segundo dados da Cajuespi, cerca de três mil produtores fabricam cajuína no estado e em 2010 estima-se que produção da bebida dobre.

domingo, 22 de novembro de 2009

Caju tem R$ 9,6 mi de incentivos

A importância da cajucultura para o Nordeste vai mais além da sua produção. Os incentivos do Banco do Nordeste também contam para que o setor tenha aumento de produtividade. Só no ano passado, foram investidos, pelo BNB, mais de R$ 9,6 milhões na atividade no Ceará, totalizando 693 operações. Em 2009, o consolidado é de 694 operações, com R$2,8 milhões. De acordo com o gerente executivo de desenvolvimento territorial da superintendência estadual do BNB, José Airton da Silveira Júnior, que ministrou a palestra "A importância da cajucultura para o Desenvolvimento Regional e Territorial", durante a 6ª edição do Caju Nordeste, que termina amanhã, em Beberibe, a diminuição dos valores se refere aos pequenos investimentos na área, mas salienta que foram beneficiados mais produtores. Ele argumenta ainda que é preciso que os cajucultores saibam utilizar todo o potencial no Estado, principalmente no que se refere ao pedúnculo."Apenas 10% do pedúnculo é aproveitado", diz. Para ele, se todo o potencial do caju for aproveitado, pode-se obter melhores resultados. Além da importância, um dos fatores para que haja o fortalecimento ainda mais do setor na economia estadual é o incentivo aos pequenos produtores.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Incentivo à cajucultura na Paraíba

Com a aprovação, pela Assembléia Legislativa da Paraíba, do pedido do empréstimo de US$ 25 milhões junto ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), o Governo daquele Estado garante investimentos em programas de combate à pobreza rural no Cariri e Seridó, beneficiando 31 mil famílias. Diretamente, 4.300 produtores de ovinos e caprinos, 1.500 produtores de sisal e 1.000 produtores de caju são beneficiados. Está prevista também a implantação de 300 hortas comunitárias, 1.100 mineradores, 500 artesões de couro e peles caprinas e ovinas, além de 300 rendeiras. O programa também implantará cinco fábricas de beneficiamento de castanha de caju e cinco plantas de cajuína.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Começa o Caju Nordeste

O município de Beberibe, maior produtor de caju do Ceará sedia, de amanhã até o próximo sábado, o 6º Caju Nordeste, considerado o mais importante evento do País dedicado ao desenvolvimento da cultura do cajueiro, movimentando o turismo e toda a cadeia produtiva do caju com oficinas, ciclo de palestras, minicursos, feira de negócios, festival gastronômico e atrações artísticas. De acordo com o diretor do Instituto Caju Nordeste e um dos coordenadores do encontro, Afonso Aquino, a meta é buscar novas tecnologias para ampliar a participação da atividade nos mercados interno e externo. O Caju Nordeste é um seminário anual realizado no Nordeste e, pela segunda vez seguida, tem lugar em Beberibe, que conta com cerca de 32,6 mil hectares de área plantada com o cultivo de cajueiro, distribuídos em grandes, médias e pequenas propriedades rurais, com capacidade de geração de empregos para mais de 15 mil trabalhadores.

domingo, 15 de novembro de 2009

Exportação de castanha no RN

Entre janeiro e setembro deste ano, os dois produtos mais exportados pelo Rio Grande do Norte foram castanha de caju e melão, com um volume conjugado de 35,53 toneladas e vendas de R$ 85,58 milhões.

sábado, 14 de novembro de 2009

Caju Nordeste

Com tema "Arranjos produtivos locais e desenvolvimento territorial", o Caju Nordeste chega à 6ª edição e enfoca a importância da cajucultura. Este ano, o evento acontecerá em Beberibe (CE), de 18 e 21 deste mês e se consolida como o maior evento da cajucultura nacional. Vale a pena conferir.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Bônus para castanha de caju

Os financiamentos de 20 culturas recebem bônus do PGPAF - Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - de 10 de novembro a 9 de dezembro. Os bônus valem para pagar as parcelas de financiamentos do Pronaf - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.
O PGPAF é definido no começo do ano, mas como os preços variam ao longo do período, são estabelecidos os bônus para cada cultura, de acordo com as flutuações de mercado, funcionando como um abatimento nas parcelas dos financiamentos. Em novembro, recebem bônus os financiamentos do Pronaf para as seguintes culturas da agricultura familiar: arroz, babaçu (amêndoa), borracha natural (de extrativismo e de heveicultura), café arábica, castanha de caju, castanha-do-brasil, feijão, girassol, leite, mamona, milho, pequi (fruto), piaçava (fibra), raiz de mandioca, sisal, sorgo, trigo e triticale.
Os agricultores familiares que têm produção baseada na sociobiodiversidade também recebem bônus em novembro, como a castanha de caju (em seis estados), o pequi – fruto (em cinco estados), e a piaçava (em dois estados). Para mais informações sobre o bônus, acesse o site do MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrário.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Queda nas exportações

As exportações de minério de ferro e de álcool são as apostas para que a balança comercial do Rio Grande do Norte retome o equilíbrio até o segundo semestre de 2010. Em 2009, a realidade ainda é de perdas tanto nas exportações quanto nas importações do estado. A queda nas exportações foi puxada pelos principais produtos da pauta do estado, como o melão (-36,36%), banana (-4,44%), castanha de caju (-7,47) e confeitaria (-27,54). Se em percentual a redução não aparenta ser tão grande, em valores dá para se ter a dimensão exata do prejuízo. A castanha de caju, por exemplo, caiu de R$ 64,7 milhões para R$ 59, 8 milhões.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Publicado zoneamento agrícola do caju para Ceará e Piauí

Os produtores de caju do Ceará e Piauí podem consultar os estudos do zoneamento agrícola de risco climático para a cultura safra 2009. As Portarias nº 274 e 275 trazem a indicação de melhor período para o plantio e relaciona os municípios aptos para o cultivo da fruta. Conforme o estudo publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (10), o caju é uma planta tropical que, adaptada ao clima do litoral nordestino, se desenvolve bem em solos profundos, férteis e areno-argilosos. As melhores condições para seu cultivo estão em temperaturas entre 22º C e 32º C, alta luminosidade e chuvas acima de 1.200 mm ao ano com, no máximo, três a quatro meses de estiagem. Confira as Portarias Nº 274 e 275, nas páginas 14 e 15 <http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=14&data=10/11/2009> do Diário Oficial desta terça-feira (10). http://extranet.agricultura.gov.br/pubacs_cons/!ap_detalhe_noticia_cons_web?p_id_publicacao=16219

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Comercialização de castanha no RN

Com o início da safra de caju no Rio Grande do Norte, a Conab começa na próxima semana a comercialização da castanha direto dos produtores, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), na modalidade Compra Direta. O objetivo é intervir no mercado para regular o preço do produto, que tende a cair devido à previsão de safra 30% maior que em 2008.
Para atender as regiões produtoras no estado serão instalados três pólos volantes nos municípios de Serra do Mel, Apodi e Itaú, onde as equipes receberão as castanhas in natura que seguirão para classificação na Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Norte. Logo após serão adquiridas pela Companhia, para a formação de estoque. O quilo do produto tipo 1 será comprado por R$1,20 e o do tipo 2 por R$0,96.
No Rio Grande do Norte, a castanha é 100% aproveitada, ao contrário do caju, com apenas 5% de aproveitamento. Atualmente, a Conab mantém oito projetos na modalidade Doação Simultânea, que envolvem a castanha de caju e outros cinco que aproveitam a polpa para a fabricação de doces. (Blog Agricultura Familiar)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Desperdício de caju no Cariri

A Região do Cariri tem potencial para o cultivo do caju, mas – estranhamente, chega a importar o produto do Piauí. Com o projeto de renovação de copa do cajueiro, a produtividade aumentou, mas parte da safra ainda é desperdiçada. Em uma visita ao assentamento Jenipapo, no Crato, no sul do Ceará, o Nordeste Rural constatou desperdícios em uma das maiores áreas de produção de caju da região.
O assentamento, a 580 quilômetros de Fortaleza, tem 70 hectares. As 12 famílias do local moram em casas de tijolo, criam animais e cultivam de tudo um pouco. Nesta época do ano, a safra é de caju. O fruto dá um colorido à paisagem. A maioria das árvores é nativa. Uma das variedades é o cajueiro “faga 11″, desenvolvido para a indústria.
Em 2006, a área foi renovada pelo projeto substituição de copa, como mostrou, em reportagem, o Nordeste Rural/Globo Rural. Três anos depois, a produtividade melhorou, mas o aproveitamento do caju, ainda deixa a desejar. Com tanta fartura, parte da safra de caju acaba em desperdício. No local, moradores retiraram a castanha e o pendúnculo ficou no solo. Sem a castanha e o pendúnculo, os frutos podem ser aproveitados apenas pelas ovelhas e o gado.
Além de suco, refrigerante e doce, do caju pode ser feita a carne, que permite a criação de diversos pratos. O caju ajuda no combate ao reumatismo e a eczemas da pele. O óleo da castanha é considerado antisséptico, já que limpa e cicatriza feridas, além de ser indicado no combate a vermes. (Programa Nordeste Rural de ontem)

domingo, 8 de novembro de 2009

Safra de Castanha de Caju 2009

A décima previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2009, com base no mês de outubro mostra, em relação a 2008, uma variação de 17,14% na produção (280.786 toneladas de castanha), 3,84% na área plantada, +2,41% na área colhida (hectares) e 14,55% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

sábado, 7 de novembro de 2009

Safra de castanha de caju no Ceará

Previsão mais recente do IBGE reforça tendência de queda na produção de grãos no Estado do Ceará. A estimativa da produção de grãos no Ceará, calculada no último mês de outubro, registrou queda acumulada no ano de 41,24%. Em relação ao mês anterior (quando a estimativa era de 804.115 toneladas), a previsão atual indicou safra de 803.300 toneladas, um variação 0,10% inferior. Os dados são do relatório mensal de ocorrências sobre o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), produzido pelo Grupo de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias do Ceará (GCEA), do IBGE, entre 16 de setembro e 15 de outubro de 2009.
Castanha de caju
De acordo com o IBGE, a safra do caju está atrasada em todo o Estado. A previsão é de se obter 149.107 toneladas, o que representa uma pequena variação positiva (de 0,02%) em relação a expectativa do começo do ano, que foi de 149.074 toneladas. No entanto, a estimativa é de crescimento em relação a 2008, que foi de apenas 121.045 toneladas. O estudo indica elevação de 23,18% na safra da castanha de caju nesse ano.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Producão agrícola reduz 19,48% no RN

A chuvas tão esperadas pelos agricultores acabaram passando dos limites em 2009 e resultaram em queda de 19,48% na produção de cereais, legumes e oleaginosas e em um tímido aumento de 2,8%, se consideradas as 15 principais culturas do Rio Grande do Norte. Os números são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram coletados em setembro deste ano, quando encerrou a safra de cereais. A comparação é feita com dezembro de 2008. Entre as culturas que tiveram perdas está a castanha de caju (0,86%). As primeiras projeções da safra de 2010 no RN só serão divulgadas pelo IBGE em fevereiro do próximo ano, período em que a safra é iniciada e que se tem as primeiras previsões climáticas.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Festa da Castanha em João Câmara (RN)

O município de João Câmara recebe, entre os dias 06 e 08 deste mês, a primeira edição da Festa Estadual da Castanha. O objetivo é resgatar a importância econômica e cultural da cajucultura, uma das três mais importantes linhas de exportação do Rio Grande do Norte. No evento estarão dispostos estandes onde os produtores poderão expor as suas produções, inclusive máquinas e sistemas de processamento da castanha. Serão expostos doces, polpas, sucos e cajuína. A grande atenção ficará com os pequenos produtores e assentados. A Comunidade do Amarelão, de João Câmara, produz um dos maiores volumes de castanha artesanal, abastecendo a capital e garantindo os grandes volumes em exportação. A castanha é responsável pela geração de mais de 25 mil pessoas nos últimos anos e vem recebendo apoio através do programa de recuperação das copas de cajueiro e distribuição de mais de 1 milhão de mudas de cajueiro anão precoce.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Comércio justo na produção de castanha

Apoiada pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, em seis meses a produção de castanhas de Novo Pingos (RN) deve obter a certificação concedida pela Fairtrade Labelling Organizations (Flo-Cert) – Certification for Development (Certificação para o Desenvolvimento, em português). A certificação abre as portas ao mercado internacional. Na Europa, esse tipo de negócio encontra-se em processo de franco crescimento. Para entrar na categoria, os produtores devem estar organizados em associações e adotar procedimentos em suas relações profissionais como o respeito às leis trabalhistas e a produção sustentável. Ao venderem seus produtos com o selo de Comércio Justo ainda ganham bônus que se revertem em investimentos sociais. Novo Pingos surgiu em 2002. A atitude empreendedora está presente na comunidade desde seus primórdios. Durante a construção do assentamento, os próprios moradores optaram por erguer suas casas, no lugar de contratarem uma empresa para isso. O carro-chefe da economia de Novo Pingos está na produção de castanhas. O assentamento dispõe de 290 hectares dedicados ao cultivo do caju. Da plantação à embalagem, todo o processo de produção acontece na comunidade. Sobras do caju e da castanha e outras frutas servem de matéria-prima para iguarias como geléias e doces.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Cattle feed from cashew apples

After several studies on the ways to churn out bio-fuel from its juice, cashew apples are now being considered for producing cattle feed. If things pan out well, several thousand tonnes of cashew apples that are now being dumped as waste, will go into the making of cattle feed. An ambitious project is being mooted by the Plantation Corporation of Kerala (PCK) Limited with the support of Kerala Feeds. Presently, the project is under the consideration of the Board of Research in Nuclear Sciences under the Bhabha Atomic Research Centre (BARC). It is a two-year project and it would be funded by the Board if it gets sanctioned.
To go by the envisaged project, the cashew apple pomace (the residue left after the extraction of juice) would be dried and processed into an ingredient for making cattle feed. "When we get one kg of cashew nuts, around 10 kg of cashew apple will go as waste. The total area of cashew plantations of PCK is around 5,000 hectares and the productivity is 700 kg per hectare. The figures show that a massive quantity of cashew apple is simply wasted every year,’’ according to Devapalan, PCK General Manager (Operations). The processing of cashew apples would not bring in much financial burden, the PCK officials expect.
"Only nominal expense is required for the collection of cashew apples. It will be a huge success once the production of bio-fuel from the juice will also become economical,’’ the official said.
Cashew apple, which is highly nutritious, is put to little use in the country other than in Goa where it is fermented to an alcoholic beverage called Feni. (Express Buzz)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Safra de castanha em Serra do Mel

O município de Serra do Mel (RN) espera colher este ano uma safra de 10 mil toneladas de castanha e 100 mil toneladas de caju. Projetada em 1972 pelo governador Cortez Pereira para produção de castanha de caju, Serra do Mel possui 22 vilas rurais e uma administrativa, onde estão distribuídos 1.196 lotes e cultivados cerca de 4 milhões de pés de cajueiro. Segundo informações do município, o cajueiro anão precoce é a variedade que apresenta a maior produtividade, embora seja a menos cultivada.