domingo, 31 de maio de 2009

Opção de endereço do site Cajucultura

O site Cajucultura também pode ser acessado através do endereço www.cajucultura.com

Safra cearense de castanha de caju

Segundo dados do IBGE divulgados esta semana, a safra de castanha de caju no Ceará para 2009 permanece apresentando uma estimativa de 149.278 t, incremento estimado em 0,14%, ante a expectativa inicial (149.074 t) e de 23,32% em relação a safra de 2008 (121.045 t).

Cajucultura.com.br

Informamos que o site Cajucultura já pode ser acessado normamlmente através do link www.cajucultura.com.br

sábado, 23 de maio de 2009

Site Cajucultura

Devido a problemas de ordem técnica o site Cajucultura (cajucultura.com.br) encontra-se momentaneamente sem acesso.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Mais incentivos para a cajucultura

O Senador Inácio Arruda participou nesta quarta-feira (13) de reunião no escritório do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em Brasília, com o presidente do banco, Luciano Coutinho e representantes do setor da cajucultura. O objetivo foi buscar o apoio do BNDES para a implantação do Projeto Setorial Integrado para a cadeia produtiva do caju, reunindo todos os processadores brasileiros, em um projeto estimado em 50 milhões de dólares.
Estiveram presentes o presidente do Sindicato das Indústrias de Caju do Estado do Ceará (Sindicaju), Antonio Lúcio Carneiro e o vice-presidente, Antonio Teixeira de Carvalho, além do superintendente do BNDES, Julio César Maciel Ramundo, que participou do encontro por meio de vídeo-conferência.

domingo, 17 de maio de 2009

Casca de castanha de caju vira combustível

Resíduo da atividade agrícola e industrial, a casca de castanha de caju constitui um problema ambiental na região Nordeste do país, onde o produto é largamente utilizado. Neste sentido, o engenheiro Flávio Augusto Bueno Figueiredo realizou testes de pirólise e gaseificação para avaliar a produção de combustível como alternativa viável para o material.
“O estudo constitui um caminho inicial para que a indústria norteie o que fazer com a casca da castanha, visto que o resíduo é encontrado de forma abundante no Nordeste brasileiro”, explica Figueiredo. Estimativas apontam que na região existam 23 grandes fábricas e aproximadamente 120 minifábricas de beneficiamento de castanha de caju.
Os resultados da pesquisa constam da tese de doutorado de Figueiredo apresentada na Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM) e orientada pelo professor Caio Glauco Sanchez. O engenheiro explica que o processo de pirólise é a degradação térmica de algum material na ausência de ar ambiente ou oxigênio como, por exemplo, a biomassa que neste caso foi a casca da castanha. Ao testar um reator para a conversão térmica da biomassa foi possível quantificar a produção do resíduo carbonoso, alcatrão, água e gás, variando a taxa de aquecimento, a temperatura final e o agente gaseificante com vapor de água, ar sintético ou nitrogênio.
O melhor resultado alcançado nos testes foi o processo que se efetuou com a adição de vapor de água, denominado de gaseificação. Os testes propiciaram a geração de um gás de síntese com grande quantidade de hidrogênio, monóxido de carbono e dióxido de carbono. A pirólise com nitrogênio sem a presença do vapor, por outro lado, apresentou a produção de gás combustível com poder calorífico mais alto.
Os experimentos mostraram ainda a viabilidade da pirólise da casca de castanha de caju para gerar gás de síntese. Este gás poderá ser uma possível alternativa à queima direta para geração de energia, provavelmente, sem os problemas encontrados na queima direta feita em caldeira. Os experimentos foram todos realizados no Departamento de Engenharia Química e Tecnologias de Meio Ambiente da Universidade de Zaragoza, na Espanha, com bolsa cedida pelo Programa Advanced Training in Bionergy (Alfa II), financiado pela União Européia. (Envolverde/Jornal da Unicamp)

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Castnaha de caju 2009

A terceira previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2009, tendo como referência o mês de março foi divulgada pelo IBGE. Em relação a 2008, observa-se uma variação de 17,78% na produção, 1,48% na área plantada, +2,03% na área colhida (hectares) e 15,48% no rendimento (kg de castanha por hectare). A partir destes dados, o site Cajucultura organizou tabelas por unidade da federação com as respectivas previsões. Saiba mais no site Cajucultura.