domingo, 28 de dezembro de 2008

Chave para o Século XXI

O óleo de castanha de caju pode ser matéria-prima para a síntese da lasiodiplodina, substância já conhecida por atuar contra a leucemia (câncer de sangue). Cientistas do Laboratório de Pesquisa e Ensino em Síntese Orgânica da Universidade de Brasília (UnB) estão em fase final dos estudos sobre a extração da substância a partir de um tipo de ácido, o anacárdico, encontrado no óleo.
Como o cajueiro é abundante no Brasil, em especial na Caatinga, o óleo da castanha pode se tornar uma fonte mais barata e mais simples para a obtenção da lasiodiplodina, sintetizada geralmente a partir de substâncias químicas industrializadas. Além desta utilidade, duas outras substâncias estão sendo estudadas: uma para desenvolver um filtro solar e outra para a obtenção de um análogo do ácido salicílico, substância da qual é feita a aspirina. Para acessar a íntegra deste artigo clique em "Chave para o Século XXI: Caju x Câncer", de João Paulo Capobianco.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Caju em segundo no RN

O volume arrecadado pelo Rio Grande do Norte com suas exportações, de janeiro a novembro, caiu 9,9% em relação ao mesmo período do ano passado. O melão continua liderando a lista dos principais produtos exportados pelo estado. Embora apresente uma queda de 25,7% de 2007 para 2008, a fruta acumula US$ 55,8 milhões vendidos, o equivalente a R$ 131,13 milhões. O segundo lugar ficou com a castanha de caju com US$ 41,5 milhões comercializados (R$ 97,5 milhões), seguido pelo combustível: atingiu a cifra de US$ 26,3 milhões (R$ 61,8 milhões). Fonte: Tribuna do Norte.

Caju de mesa

Veja no site Cajucultura os Preços de venda do caju de mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 15 a 19/12/2008.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os Preços de venda do caju de mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 08 a 12/12/2008.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Safra de caju 2008

O IBGE divulgou a décima primeira previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de novembro. Em relação a 2007, houve uma variação de 76,75% na produção, 2,09% na área plantada, +2,24% na área colhida (hectares) e 72,63% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Jardins clonais de cajueiro

A regional da Emater de Picos (PI) realizou a terceira etapa das capacitações para produção de mudas e manejo na produção de caju para 160 agricultores familiares. A proposta de produção de mudas em viveiros vai servir para formar sete “jardins clonais” em cerca de um hectare de caju, em cada município da região de Picos, visando à retirada de material (garfo e a borbulha) para enxertia.
“Esses jardins vão possibilitar que se tenha material genético de quatro clones de caju, difundindo variedades de clones de caju. A idéia é que, no próximo ano, os agricultores familiares possam escolher uma variedade mais produtiva, ou a que tenha um caju mais aceito na mesa, ou na indústria para produção de cajuína”, explica o engenheiro agrônomo Clébio Coutinho, coordenador do Emater em Picos.
Cada município participou com 20 agricultores familiares onde as capacitações são realizadas em três módulos, num total de 72 horas. “O objetivo é preparar esses agricultores familiares para trabalharem nos projetos do Programa Nacional de Desenvolvimento Territorial (antigo PRONAF Infra-estrutura), que é executado pelo órgão, através de convênio com a Secretaria de Desenvolvimento Territorial, do Ministério do Desenvolvimento Agrário (Fonte: Jornal Meio-Norte)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Preços do caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os Preços de venda do caju de mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 01 a 05/12/2008.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Conjuntura do caju

A última Conjuntura mensal da Castanha de Caju elaborada pela Técnica: Ianelli Loureir, da Conab, assinala que a safra encontra-se em desenvolvimento em todos os estados produtores e está se confirmando a perspectiva de aumento de produção quando comparada a 2007, com os . preços variando de R$0,82 a R$0,95/kg. Segundo dados do IBGE o Brasil em 2008 produzirá cerca de 277 mil toneladas de castanha de caju. O estado do Ceará participa com 150 mil, Piauí 65 mil e Rio Grande do Norte com 40 mil toneladas.
A paridade de exportação, considerando a taxa cambial de U$2,26 encontra-se a R$2,25/kg. Valor considerado bem superior ao que o produtor está recebendo. A Conjuntura ressalta que 80% da produção nacional de castanha é exportada e o setor industrial afirma que as exportações encontram-se afetadas pela presente crise mundial, pois cerca de 75% da produção nacional se destina aos Estados Unidos e conforme afirmação do setor o mercado está travado.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Criação de fundo de apoio à cultura do caju

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou , em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 6167/02, do Senado Federal, que cria o Fundo de Apoio à Cultura do Caju - Funcaju. O objetivo do fundo é desenvolver o financiamento e a modernização da agroindústria do caju e de seus produtos derivados; incentivar o aumento da produtividade da cajucultura; fortalecer a exportação de produtos relacionados; e promover a defesa do preço dos mercados interno e externo e das condições de vida do trabalhador rural.
Recursos.
O Funcaju será constituído por recursos da União e créditos adicionais que lhe forem atribuídos pela lei orçamentária (LOA); doações e contribuições a qualquer título de entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, e de pessoas físicas; recursos provenientes de ajustes; convênios firmados com instituições públicas e privadas; e rendimentos de aplicações financeiras em geral.
A matéria foi aprovada na forma do substitutivo oferecido pelo relator na comissão, deputado Colbert Martins (PMDB-BA). Entre outras mudanças, Martins alterou a ementa da proposta original, que apenas autorizava o Executivo a constituir o fundo. Ele também excluiu a determinação de prazo para que o governo criasse o Funcaju. "A proposição afrontava a Constituição ao assinalar prazo para o Poder Executivo exercer competência que lhe é privativamente deferida pelo art. 84", lembrou o deputado baiano.
Infra-estrutura e propaganda
Além de apoiar tecnologias que concorram para o aumento da produtividade e da qualidade do caju e financiar a expansão da cadeia produtiva, o fundo poderá ser aplicado no treinamento de mão-de-obra e em investimentos na melhoria da infra-estrutura de apoio à produção e comercialização do caju e de seus derivados para os mercados interno e externo.
Os recursos do fundo poderão ser inclusive investidos na melhoria da infra-estrutura das regiões produtoras de caju, compreendendo a modernização de estradas vicinais, comunicação e eletrificação. Apoio financeiro também poderá ser alocado para programas sociais que visem proporcionar melhores condições de vida do trabalhador rural. O governo poderá ainda promover, com recursos do Funcaju, campanhas publicitárias destinadas ao aumento do consumo do produtos nos mercados interno e externo.
Tramitação
A proposta retorna agora ao Senado para análise das mudanças feitas pela Câmara.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Exportações piauienses

Mesmo sem a computar os meses de novembro e dezembro, o Piauí já bateu o recorde em exportações (US$ 96 milhões). Os números representam um aumento de 113% em relação ao período de janeiro a outubro do ano passado.Dos US$ 96,1 milhões, US$ 43,4 milhões vieram da soja e US$ 39,9 da cera de carnaúba. A castanha de caju, com US$ 4,7 milhões, aparece como o terceiro produto mais vendido para o exterior, seguido de pedras ornamentais, com US$ 4,3 milhões, mel, com US$ 3,4 milhões, e couros e peles, com US$ 3,2 milhões.

sábado, 29 de novembro de 2008

UnB descobre potencial do caju no combate ao câncer

Conhecida pelo uso na produção de doces, sucos e por ser um dos petiscos mais apreciados, a castanha de caju tem potencial de ser uma alternativa inovadora e barata no tratamento do câncer de boca e de mama. Essa foi uma das constatações do químico Wellington Alves Gonzaga em sua tese de mestrado apresentada na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB) no primeiro semestre deste ano. O trabalho estudou as substâncias que compõem o óleo extraído do interior da casca da castanha, em especial do ácido anacárdico e o cardanol.
Durante dois anos, o pesquisador, que também trabalha como professor da Secretaria de Educação, realizou seus estudos nos laboratórios de Ciências da Saúde e Química da UnB onde descobriu que, em alguns casos, as substâncias extraídas do óleo e processadas em laboratório têm o poder de destruir até 70% das células cancerígenas de mama e até 80% das células que provocam o câncer de boca.
A extração do óleo é uma tarefa delicada: a castanha precisa ser cortada e superaquecida com etanol para a retirada do líquido, que ainda é pouco valorizado no Brasil.
Atualmente, quando ele não é descartado pelas indústrias após a torrefação, é vendido para empresas no exterior a preços irrisórios. Essas empresas fazem o processamento do óleo, que é revendido para o país a preços elevados. (Fonte: Correio Braziliense)

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Caju e Mel

O município de Ocara promove nesta sexta e sábado a terceira edição da Feira do Agronegócio do Caju e do Mel (Cajumel). O evento consolida-se como uma nova proposta para que os pequenos agricultores e produtores de mel possam ter melhorias significativas nestes setores. O município de Ocara é o principal produtor de castanha de caju do Maciço de Baturité, com uma produção de 10 mil toneladas de castanha por ano.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Caju em Tocantins

O Ministério da Integração Nacional liberou R$ 75,4 milhões para a realização de programas e obras em 14 estados brasileiros. Na Região Norte, o governo do Estado do Tocantins foi beneficiado com R$ 5,3 milhões. Serão destinados R$ 222,5 mil para a implantação de uma unidade de produção de mudas de caju, com o objetivo de fortalecer o arranjo produtivo local da cajucultura na região do Jalapão, em Novo Acordo (TO).

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Preços do caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 17 a 21/11/2008.

sábado, 22 de novembro de 2008

Castanha de caju: retração no consumo

O principal problema da indústria de processamento da castanha de caju no Ceará hoje é com o consumo dos países importadores. O câmbio, já há alguns meses acima dos R$ 2, favorece as exportações do produto, mas faltam compradores. No período de maior movimento, outubro e novembro, o mercado externo praticamente parou de importar. "As vendas diminuíram consideravelmente. É uma coisa atípica", diz o presidente do Sindicato das Indústrias de Processamento da Castanha de Caju (Sindicaju), Antonio José Gomes Teixeira de Carvalho. Segundo ele, atualmente as empresas estão comprando matéria-prima, processando e estocando. "As empresas estão superabastecidas mas sem vendas", completa, ressaltando que não sabe até quando essa situação se mantém porque daqui a pouco, em plena safra, as empresas não terão mais espaço. Ele adianta que os importadores estão preferindo reduzir os estoques para gerar caixa (dinheiro). Os dois principais compradores da castanha brasileira, que tem o Ceará como maior produtor e exportador no Brasil, são os Estados Unidos - foco principal da crise - e os países da Europa também muito afetados. Antonio José descarta a possibilidade de vender a produção no País. "O mercado interno não absorve nem 30% do que é produzido aqui", avalia. Sobre a cotação do dólar diz que é difícil prever qualquer coisa no momento por causa da volatilidade. "A gente imagina que o dólar fique sempre acima dos R$ 2, R$ 2,10, o que é para o setor mas a preocupação hoje é com o consumo", conclui. (Fonte: Jornal O Povo)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Começa o V Caju Nordeste

Começa nesta manhã (22 de novembro), indo até sábado, em Beberibe (CE) o 5º CAJU NORDESTE, com o tema “Negócios com inovação e integração na cadeia produtiva do caju”. Evento itinerante, o CAJU NORDESTE se realiza a cada ano em um município distinto, no território cearense. È o maior evento da Cajucultura brasileira. Confira o site do evento.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda atualizados do caju-de-mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 10 a 14/11/2008.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Caju no Mato Grosso

No município de Rosário Oeste (128 km ao Norte de Cuiabá), está sendo instalada uma indústria para beneficiar castanha de caju e produzir doces desidratados. Cerca de 200 produtores estão sendo incentivados a aderirem ao Projeto de Revitalização da Cultura do Caju na Baixada Cuiabana. Atualmente o Estado de Mato Grosso tem uma área plantada de mais de 1 mil hectares de cajueiro, distribuídos nos municípios de Rosário Oeste, Jangada, Acorizal, Gaúcha do Norte, Terra Nova do Norte, Nova Mutum e Sorriso.
Atualmente existem vários clones de cajueiro-anão precoce recomendados para o plantio comercial. No Estado estão sendo recomendados os clones: CCP 76, Embrapa 51, BRS 226, BRS 189 e CCP 09 que têm demonstrado boa adaptação às condições climáticas.
A indústria terá capacidade para beneficiar seis toneladas de castanha de caju por dia e desidratar outras frutas, como a manga, acerola e goiaba.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Castanha do Piauí

Números relativos ao Produto Interno Bruto, divulgados pela Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí -Cepro mostram que a economia se expandiu em 2006. Os setores da economia que mais agregaram valores ao PIB piauiense foram serviços (R$ 8,374 milhões), indústria (R$ 1,931 bilhões) e agropecuária (R$ 1,082 bilhões). A agropecuária se expandiu 6,35%, graças à lavoura permanente, destacando-se a produção de castanha de caju, com crescimento de 70% em 2006.

domingo, 16 de novembro de 2008

Safra de castanha 2008

O IBGE divulgou a décima previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de outubro. Em relação a 2007, houve uma variação de 101,32% na produção, 1,71% na área plantada, +1,92% na área colhida (hectares) e 97,37% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja detalhes no site Cajucultura.

sábado, 15 de novembro de 2008

Suco de caju

O Suco Premium Caju, da Jandaia, recebeu o prêmio nacional de Lançamento do Ano, na categoria Bebidas Não-Alcoólicas na 31ª edição da Abras, via revista SuperHiper.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Caju Nordeste

De 19 a 22 de novembro de 2008 sedrá realizado em Beberibe (CE) o 5º CAJU NORDESTE, tendo como Tema Central: “Negócios com inovação e integração na cadeia produtiva do caju”.
Evento itinerante, o CAJU NORDESTE se realiza a cada ano em um município distinto, dentro do território cearense. A participação é gratuita, possibilitando que todos os interessados, especialmente os pequenos proprietários e trabalhadores rurais, tenham acesso às inovações tecnológicas disponíveis para o setor.
Contando mais uma vez com o decisivo apoio de importantes parceiros, este ano o evento apresenta uma rica e diversificada programação, com ênfase na realização de atividades práticas, nas quais os participantes terão a oportunidade de interagir com os instrutores em oficinas técnicas, mini-cursos e demonstrações, cobrindo vários aspectos dentro da cadeia produtiva do caju.
Este é o maior evento da Cajucultura brasileira. Vale a pena conferir!

sábado, 8 de novembro de 2008

Agricultura familiar

Araçá, buriti, bacaba, cajá, cajuí e murici. Estas são as principais matérias-primas de um projeto de desenvolvimento sustentável desenvolvido por agricultores familiares da Cooperativa Agroflorestal do Nordeste do Tocantins, instalada no município de Santa Maria do Tocantins. Os produtos resultantes deste projeto (polpas, compotas, doces e óle ) serão expostos e comercializados na V Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária, que será realizada de 26 a 30 de novembro, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro.
Os produtos são naturais, sem conservantes e aditivos químicos. Em breve, passarão a ser identificados pela marca “Gosto do Cerrado”. O caju está entre as frutas nativas e adaptadas ao bioma. Todas são coletadas por agricultores familiares no Cerrado ou em pequenos pomares cultivados nos quintais de casas e propriedades rurais.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda atualizados do caju-de-mesa no atacado praticados em algumas centrais de abastecimentos do país, referentes à semana de 3 a 7/11/2008.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Caju na Feira do Empreendedor

O caju será destaque na Feira do Empreendedor, que será realizada no período de 19 a 23 de novembro, em Teresina. Exposição de produtos à base de caju, oficinas de culinária a partir do caju e exposição de frutas do Distrito Tabuleiros Litorâneos serão atividades apresentadas pela Unidade do Sebrae no Piauí durante a feira.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Preços do caju-de-mesa


Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa no atacado praticados em algumas Centrais de Abastecimento do país, referentes à semana de 27 a 31/10/2008

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Cajucultura em Moçambique

Moçambique pretende aumentar a produção de castanha de caju para 250 mil toneladas por ano, no prazo de cinco a dez anos, tornando-se novamente um dos maiores produtores mundiais, de acordo com informações do Departamento de Economia do Instituto de Fomento do Caju (INCAJU). Para atingir a produção prevista o programa do INCAJU pretende aumentar o plantio anual de mudas de 1,5 milhões para 3 milhões.
Durante os anos 70 Moçambique chegou a ser considerado o maior produtor mundial de caju. No final da década de 80 o setor sofreu uma significativa redução, devido a fatores relacionados com o clima, envelhecimento de plantas e, ainda, ao aparecimento de pragas e doenças, culminando com o quase deparecimento da atividade na década 90 (Fonte: Macauhub).

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Castanha lidera no RN

De acordo com os dados da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Econômico – Sedec do Rio Grande do Norte, as exportações de setembro somaram 239,6 milhões de dólares e a castanha de caju é o destaque da balança com 35,5 milhões de dólares exportados, um crescimento de 19% com relação ao mesmo período do ano passado. O segundo item da pauta é o melão, ainda no inicio da safra, com 32,2 milhões de dólares comercializados no exterior, seguido de combustível para consumo de bordo em terceiro lugar na pauta com 23,6 milhões de dólares exportados e um aumento de 78,8% com relação ao ano passado.

domingo, 2 de novembro de 2008

Safra brasileira de castanha de caju

O IBGE divulgou a nona previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de setembro. Em relação a 2007, houve uma variação de 101,41% na produção, 1,71% na área plantada, +1,92% na área colhida (hectares) e 97,37% no rendimento (kg de castanha por hectare). A novidade é o estado de Pernambuco aparecendo nas estatísticas.Veja mais detalhes no site Cajucultura.

Cajucultura no Piauí

Com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável do Arranjo Produtivo da Cajucultura, a Federação das Indústrias do Estado do Piauí e o Sebrae local, estão desenvolvendo o Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias (Procompi) em 20 associações de pequenos produtores de caju, localizadas nos municípios de Parnaíba, Buriti dos Lopes, Cocal, Piracurauca, Batalha, Esperantina, Brasileira, Piripiri, Pedro II, Lagoa de São Francisco, Campo Maior, Castelo do Piauí, Sigefredo Pacheco, Capitão de Campos, Domingos Mourão, Joaquim Pires e São João da Fronteira.
O projeto se constitui em ações de fortalecimento da cultura exportadora, bem como na criação e organização das cooperativas e implantação de central de comercialização. Segundo ele, o programa tem por finalidade principal levar ao produtor capacitação gerencial e tecnológica, através de cursos, consultorias, seminários, congressos, palestras e clínicas tecnológicas para o melhor aproveitamento do potencial da atividade na região.
As ações consistem em ensinamentos que variam desde a implantação da cultura do cajueiro, incluindo produção de mudas enxertadas de caju, manejo da cultura do cajueiro, substituição de copas de cajueiros improdutivos, até a gestão do agronegócio do caju.

sábado, 1 de novembro de 2008

Zoneamento agrícola

Mais cinco portarias, aprovando o zoneamento de risco climático para as culturas de banana, caju, mamona e milho, foram publicadas no Diário Oficial da União, no últimno dia 30/10, pela Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Para a cultura da banana safra 2008/2009, a portaria indica áreas de plantio no estado do Maranhão, levando em conta temperaturas médias elevadas, alta umidade relativa do ar e solo úmido, o que apresenta bom desenvolvimento vegetativo.
O cultivo do caju foi recomendado para o Ceará e Piauí. O Ceará, com uma área plantada de aproximadamente 371 mil hectares e produção de 130 mil toneladas/ano, segundo dados do IBGE, é um dos principais produtores de castanha do caju, da região Nordeste.

domingo, 24 de agosto de 2008

Caju Nordeste

O município de Beberibe (CE) sediará a 5ª edição do Caju Nordeste, entre os dias 20 a 22 de novembro. Com o tema "Negócios com Inovação e Integração Na Cadeia Produtiva do Caju", o evento tem o objetivo de contribuir com a organização, a modernização e o desenvolvimento da cultura do caju. Da programação consta uma Feira Gastronômica, que contará com a participação de empresários do setor e de chefes de cozinha dos restaurantes locais, que vão apresentar receitas a base de caju. Na edição passada, em Aracati, participaram cerca de duas mil pessoas. A expectativa é que este ano quatro mil participantes compareçam durante os três dias do evento.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Carne de caju

Bife, hambúrguer, creme, lasanha, paçoca e doces. Os segredos de como preparar essas e outras delícias serão revelados durante curso de Aproveitamento Integral do Caju, de 29 de julho a 2 de agosto, em Teresina, para produtores e interessadas em aprender um pouco mais sobre a culinária a base do caju. Maiores informações e inscrições na Unidade de Atendimento Coletivo Agronegócios do Sebrae no Piauí, localizada na sede da instituição em Teresina, na Av. Campos Sales, nº 1046, Centro, ou através dos telefones (86) 3216-1350/(86) 9988-6888 (Fonte: Sebrae).

domingo, 6 de julho de 2008

Acordo

Moçambique e Guiné-Bissau assinaram em Maputo um memorando de entendimento para ações de pesquisa conjunta no setor de produção de caju e partilha de informação sobre o mercado comum nesta área. O acordo foi assinado pelo presidente da Comissão de Desenvolvimento do Subsetor do Caju da Guiné-Bissau, André Lopes da Veiga e o Instituto Nacional do Caju de Moçambique (INCAJU). Pelo acordo, será feito o intercâmbio de material genético dos cajueiros entre técnicos dos dois países para encontrar espécies resistentes a doenças. De Moçambique, a Guiné-Bissau espera igualmente conhecer melhores técnicas de processamento da castanha de caju. A castanha da Guiné-Bissau representa cerca de 7,7 % da produção mundial. Para a safra 2008/9, prevê-se uma produção de 95 mil t de castanha de caju em Moçambique, enquanto a Guiné-Bissau poderá atingir as 130 mil t, continuando a castanha de caju a ser responsável por entre 80 e 90 % das receitas de exportação do país.

sábado, 5 de julho de 2008

Nova marca

A Vignoli, a pizzaria que lançou em Fortaleza pizzas de massa bem fina e para comer com luvas de plástico, lança uma marca própria de molhos e de castanha de caju. Entram no mercado com cinco opções em embalagens de 200 e 270 gramas. A linha de castanha de caju terá embalagem de 130 gramas. Começa vendendo nos dois restaurantes da Pizza Vignoli. Pretende vender nas delicatessens da cidade a partir do dia 10 de julho (Fonte:O Povo).

sábado, 14 de junho de 2008

Preços do caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 09 a 13/06/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Safra brasileira de castanha de caju

O IBGE divulgou a terceira previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de maio. Em relação a 2007, houve uma variação de 102,86% na produção, 1,29% na área plantada, +1,88% na área colhida (hectares) e 98,92% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Exportações de castanha de caju do RN

De acordo com dados da Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte (Sedec), as exportações daquele estado mantiveram-se praticamente estáveis de acordo com os dados acumulados até o mês de maio, quando atingiu o patamar de 142,5 milhões de dólares, uma ligeira queda, de apenas 2% em relação aos mesmos meses do ano anterior, quando foram exportados 145,5 milhões de dólares. A castanha de caju foi uma das responsáveis pelo bom resultado nas exportações de maio, com 5 milhões de dólares somente no mês de maio, representando um acumulado de 20,4 milhões de dólares já nestes primeiros cincos meses, posicionando-se em segundo lugar no ranking exportador do Estado, e com um aumento de 28,9% em relação a 2007.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Safra de castanha em Moçambique (2)

Para a safra 2008/2009 estima-se uma produção de 95 mil t de castanha. Alguns distritos da província de Nampula, maior produtor de castanha de caju em Moçambique, já começaram o tratamento dos cajueiros contra o oídio e a sensibilização das populações sobre a necessidade de fazerem o manejo das plantações. Uma nova fábrica, com capacidade para processar cerca de 7 mil t de castanha de caju por ano e com potencial para empregar 2 mil trabalhadores, será construída em Nampula.

domingo, 8 de junho de 2008

Safra de castanha em Moçambique (1)

A produção de castanha de caju em Moçambique na safra 2007/2008 atingiu 95 mil toneladas, superior a meta prevista de 85 mil toneladas. Desse total, 32 mil t foram exportadas in natura, principalmente para o mercado indiano, devendo o restante ser processado internamente pela indústria processadora e pelo setor informal.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Safra vietnamita

A safra de castanha do Vietnã para o corrente ano, estimada em 270 mil t, deverá sofrer uma redução de 23% em relação a 2007 (350 mil t), motivada principalmente pelas condições climáticas. Antecipando-se à situação, o país fechou contrato de compra com alguns países africanos (Fonte: Bloomberg).

terça-feira, 3 de junho de 2008

Produção de mudas de cajueiro

Começa hoje, em São João do Piauí, um curso de produção de mudas enxertadas de cajueiro anão-precoce promovido pela Embrapa Meio Norte. O treinamento terá uma carga horária de 20 horas-aula, sob coordenação do pesquisador José Lopes Ribeiro. A programação do curso está dividida em oito módulos: Situação da Cajucultura na Região Nordeste e no Piauí; Propagação de Plantas; Implantação de Viveiros de Mudas; Manejo de Mudas Enxertadas; Etapas para o Processo da Enxertia em Mudas de Cajueiro; Principais Doenças e Pragas de Mudas de Cajueiro; Vídeo sobre a Produção de Mudas de Cajueiro e Prática de Enxertia nos Viveiros da Embrapa Meio-Norte.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Safra de castanha de caju 2008

O IBGE divulgou a terceira previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de abril. Em relação a 2007, houve uma variação de 104,36% na produção, 1,78% na área plantada, +2,41% na área colhida (hectares) e 99,46% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

domingo, 1 de junho de 2008

Mini-fábricas de castanha

O governo do Piauí vai investir R$ 327 mil na modernização de pequenas empresas de produção de castanha de caju. A Fundação Banco do Brasil prevê ainda um investimento de R$ 180 mil no mesmo setor, para uma maior articulação da produção e comercialização naquele estado. Aualmente, a produção anual do Piauí é de 45 mil toneladas de castanha de caju in natura. A expectativa é de que ainda este ano 1.500 toneladas poderão ser beneficiadas em pequenas fábricas situadas nos municípios de Oeiras, Picos, Pio IX, Valença, Dom Expedito Lopes e Inhuma, além de outras que serão recuperadas. O protocolo de intenções assinado no início deste ano entre a Fundação Banco do Brasil e o governo do Piauí prevê para 2008 a recuperação de 10 mini-fábricas.

sábado, 31 de maio de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 26 a 30/05/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

domingo, 25 de maio de 2008

Mudas de cajueiro

A Prefeitura de Arapiraca (AL), por meio da Secretaria de Agricultura, vai distribuir, nas próximas semanas, mais dez mil mudas de caju para os agricultores que estão em processo de cadastramento. Após a seleção dos produtores rurais, será realizado um curso de capacitação para orientações sobre o manejo.
O projeto de Cajucultura foi implantado em Arapiraca no ano passado, com a distribuição de três mil mudas de cajueiro anão a 12 agricultores familiares que residem em locais onde oclima é mais quente no município.

domingo, 27 de abril de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 21 a 25/04/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

domingo, 13 de abril de 2008

Safra brasileira de castanha de caju

O IBGE divulgou a segunda previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de março. Em relação a 2007, houve uma variação de 103,88% na produção, 1,65% na área plantada, +2,3% na área colhida (hectares) e 99,464% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Isenção tarifária

Pelo menos 34 países africanos poderão exportar os seus produtos para o mercado indiano sem pagar direitos aduaneiros, anunciou terça-feira o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, na abertura em Nova Delhi, na reunião de cúpula Índia-África." A Índia vai oferecer de maneira unilateral o acesso preferencial ao mercado para as exportações de pelo menos 50 países menos desenvolvidos, dos quais 34 se situam em África", precisou Singh, acrescentando que o programa cobrirá 94 % das linhas tarifárias totais da Índia. De maneira específica, o primeiro-ministro indiano explicou que o seu país permitirá o acesso preferencial ao mercado com linhas tarifárias que incluem 92,5 % das exportações mundiais de todos os países menos desenvolvidos. Para a África, a castanha de caju é um dos produtos abrangidos por esta isenção tarifária.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Safra de castanha moçambicana

O Instituto de Promoção do Caju (INCAJU) de Moçambique prevê que a produção de castanha em 2008 naquele país será superior a 85 mil toneladas - 10 mil toneladas a mais do que foi registado na safra 2006/2007. A colheita moçambicana, que termina em meados de abril já possibilitou armazenar 85 mil toneladas o que leva a concluir que a produção deste ano será superior a esse valor. Entre 24 e 25 mil toneladas de castanha serão processadas pela indústria de Moçambique, que atualmente compreende pequenas fábricas, e o restante será exportado para a Índia ou processado artesanalmente.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Preços mínimos

Já está em análise no Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a proposta de preços mínimos para café, culturas de inverno (trigo, aveia, centeio, cevada e triticale) e regionais (alho, mamona, castanha de caju, carnaúba e sisal), que deverá entrar em vigor a partir de julho deste ano. A nova tabela faz parte da PGPM (Política de Garantia de Preços Mínimos) do governo federal. O estudo, que se refere aos produtos da safra 2008/09, foi realizado pelos técnicos da Conab entre os meses de dezembro do ano passado e fevereiro último.

quarta-feira, 19 de março de 2008

Comercial de amêndoa de caju

Vale a pena assistir este comercial de amêndoa de castanha de caju veiculado na europa.

video

terça-feira, 18 de março de 2008

Cajueiro de presente

Para incentivar o respeito ao meio ambiente, toda criança que nasce no Hospital Maternidade Venâncio de Sousa, em Horizonte (CE), recebe uma muda de cajueiro-anão precoce, planta típica da região, que tem seu cultivo bastante incentivado devido à sua alta produtividade. “Com essa ação, queremos incentivar os pais e a criança a serem ambientalmente responsáveis”, destaca o secretário de Agricultura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente de Horizonte, Franzé Sousa. Além da muda, a Maternidade ainda oferece o registro de nascimento gratuitamente no próprio hospital. A iniciativa começou a funcionar em 2004 e, atualmente, efetua uma média de 50 registros por mês.

domingo, 16 de março de 2008

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju-de-mesa (no atacado) praticados na semana de 10 a 14/03/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

quinta-feira, 13 de março de 2008

Safra de castanha de caju 2008

O IBGE divulgou a segunda previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de fevereiro. Em relação a 2007, houve uma variação de 107,92% na produção, 1,75% na área plantada, +2,3% na área colhida (hectares) e 103,24% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

domingo, 9 de março de 2008

Processamento de castanha de caju

No vídeo abaixo, pode-se ver como é processada a amêndoa de castanha de caju na Índia (narração em inglês).

video

sábado, 8 de março de 2008

Distribuição de mudas de cajueiro-anão no RN

Com a possibilidade de um período chuvoso promissor, a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca trabalha para garantir uma boa safra para o Rio Grande do Norte. Com o Programa de Distribuição de Sementes e Mudas, técnicos da secretaria estão percorrendo as microrregiões potiguares para entregar os grãos e garantir a safra 2008. Além do milho, feijão e sorgo, a Secretaria de Agricultura está distribuindo 250 mil mudas de cajueiro anão precoce, acompanhando o zoneamento agrícola de cada região. As previsões da Emparn, divulgadas no site da instituição, apontam que as microrregiões de Umarizal, Serra de São Miguel, Pau dos Ferros e Mossoró devem registrar até maio, índice pluviométrico superior a 600 milímetros. O prognóstico foi elaborado em fevereiro durante a Reunião de Análise Climática para o Semi-árido, realizada em Natal. O encontro revelou a possibilidade de um inverno com chuvas acima da média em todo o estado.

terça-feira, 4 de março de 2008

Importar castanha se tornará hábito?

Continuação da matéria do Jornal O Povo (Fortaleza): "...Ao se manifestar sobre a preocupação do presidente licenciado do Sincaju de que a importação se torne um hábito, Antônio José Carvalho afirma que se isso acontecer será para aumentar o processamento de castanha. Explica que a capacidade instalada da indústria brasileira, de 360 mil, é maior que a produção. O Ceará, maior produtor e exportador de amêndoa de castanha, processa cerca de 280 mil toneladas. Segundo presidente do Sindicaju, a castanha brasileira jamais deixará de ser industrializada pela indústria local. Mas quando necessário diz que os industrias recorreram a importação, até para usar toda a capacidade instalada. Adianta que é assim que fazem os maiores exportadores de castanha do mundo, respectivamente Índia e Vietnã, que além de usar suas produções adquirem o produtos em outros países. Ressalta que a importação gera empregos no Brasil. Destaca que a importação é para evitar que as empresas parem por falta de matéria-prima desempregando mais de nove mil pessoas. A indústria de processamento faz estoque durante a safra (de agosto a janeiro) e trabalha o ano inteiro. Paulo de Tarso diz esperar que "os industriais não criem o hábito de beneficiar produtores de outros países em detrimento dos nossos cajucultores. São 150 mil pessoas, entre produtores e agregados, que vivem, hoje, da cajucultura no Ceará, além de nossa castanha ser de melhor qualidade comparada as dos outros países, principalmente africanos". Antônio José discorda. Considera que as duas têm aspectos positivos e negativos. "A brasileira é mais graúda, mas vem com umidade e um percentual alto de impurezas fazendo diminuir o rendimento. A africana é menor mas tem um rendimento 20% superior a do Brasil", conclui.

Brasil importa castanha da África

Deu no Jornal O Povo (Fortaleza) desta quarta-feira (04/03/2008): "...Quem guardou castanha de caju da safra 2007/2008 para vender por um preço maior nos próximos meses pode ter adotado uma estratégia errada e até ter prejuízo. É que a primeira importação de castanha da África, em torno de 10 mil toneladas inicialmente, chega ao Estado entre o final de abril e o início de maio. "Achamos que o produto importado vai equilibrar os preços", diz o presidente do Sindicato das Indústrias de Processamento da Castanha de Caju (Sindicaju), Antonio José Gomes Teixeira de Carvalho. Ele estima que ainda existam de 20 mil a 30 mil toneladas na mão de comerciantes que seguram o produto para aumentar o ganho após a safra. O secretário da Infra-Estrutura de Pindoretama e presidente licenciado do Sindicato dos Produtores de Caju do Ceará (Sincaju), engenheiro agrônomo Paulo de Tarso Meyer, diz que o Ceará ainda dispõe de 12 milhões de quilos da castanha "in natura", quantitativo que na sua avaliação, deve ser comprado pelas indústrias antes da pretendida importação. Meyer conta que está comunicando esse fato ao Departamento do Comércio Exterior. Lembra ainda que não se pode esquecer que os intermediários, de alguns anos para cá, estão pagando um melhor preço pela castanha, principalmente durante o período da safra. Das 12 mil toneladas, segundo ele, só na região norte ainda tem seis milhões de quilos. O presidente licenciado do Sincaju observa que são os intermediários que, "no pico da safra, além de financiar os tratos culturais, compram dos produtores, atualmente, por um preço até melhor do que o praticado pela indústria, onde o valor real, muitas vezes, é aviltado". Segundo, alegando a desvalorização do dólar, a indústrias estava pagando no final da safra R$ 0,90 pelo quilo da castanha, enquanto o intermediário pagava R$ 1. Antônio José Carvalho diz que o preço atual está na faixa de R$ 1,30 e que ele espera conseguir na África um preço entre 15% e 20% melhor. Salienta que o dólar baixo favorece as importações. A negociação está sendo feita com três países africanos. Entre eles, Guiné Bissau. O nome dos outros ele prefere não revelar. De acordo com Carvalho, depois das 10 mil toneladas devem ser importadas mais 20 mil ou 30 mil toneladas, quantidade necessária para suprir a demanda das indústrias. Meyer diz que o Sincaju ficará atento para que todas as normas legais, da vinda dessa castanha "in natura", sejam rigorosamente cumpridas, inclusive, com o certificado fitossanitário de origem (CFO). Lembra que isso não aconteceu há alguns anos atrás, "quando uma indústria local importou castanha em caráter de excepcional idade sem o CFO e, caso o Sincaju não tivesse embargado, corria-se o risco de trazer uma nova praga ou doença para os nossos cajueirais". O presidente do Sindicaju afirma que a castanha vem dentro das normas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura. "Tomamos todos os cuidados e todas as normas serão cumpridas. Não haverá irregularidade".

domingo, 2 de março de 2008

Cajucultura na Índia

O Conselho de Promoção das Exportações de Caju da Índia (CEPC) e o Laboratório de Kollam, em Kerala, apresentaram um projeto para o desenvolvimento de um Centro de Transferência de Tecnologia para o Caju, a ser financiado pelo Banco Nabard (The National Bank for Agriculture and Rural Development).
Segundo Dr V.P. Potty, chefe do Laboratório, “a criação desse centro de desenvolvimento é fundamental para o aumento da produção e do processamento de castanha in natura, face a lentidão do crescimento atualmente existente neste setor”. A baixa produtividade, o longo período requerido para obter o máximo rendimento e as grandes áreas de pomares em senescência são alguns dos principais problemas que necessitam serem superados, disse.
A atual produtividade de castanha de caju por hectare na Índia é de 800 kg, enquanto no Vietnã é de 2670 kg/ha. Na Índia, o estado de Maharashtra possui a maior produtividade (1300 kg/ha), apesar de ter um potencial para produzir 5000-6000 kg/ha. "Há híbridos e seleções de cajueiro em estações de pesquisa em Maharashtra e Goa com potencial para produzir cerca de 40 kg de castanha por planta, ou seja, 8000 kg/ha no 14 º ano após o plantio. Trata-se, naturalmente, de uma variedade tardia, que pode ser melhorada", disse ele.
Densidade de plantio
De acordo com o pesquisador, “Atualmente, não existem variedades anãs ou precoces disponíveis no país e, em conseqüência, a densidade de plantio não pode ser aumentada”. Esta é uma importante área onde a CEPC Lab pretende concentrar esforços, acrescentou.
Os principais componentes do projeto incluem o desenvolvimento e divulgação de padrões para a castanha in natura, treinamento de produtores nas operações de colheita e pós-colheita, capacitação de mão-de-obra em temas como higiene/sanitização nas unidades de processamento, e difusão de variedades de alta produtividade. Um total de 37 variedades de cajueiro foram desenvolvidas e liberadas. Dentre elas, 25 são seleções e 12 são híbridos. 21 variedades produzem amêndoas tipo exportação ((W180, W240).
Outros componentes
Os outros componentes são o desenvolvimento de técnicas agrícolas e hortícolas como enxertia, conservação do solo e da água em plantios de alta densidade, vermi-compostagem da biomassa do cajueiro, poda, substituição de copa para o rejuvenescimento de pomares senis, técnicas de proteção de plantas para o controle de pragas, técnicas de irrigação, fertirrigação, aplicação de reguladores de crescimento vegetal e consorciação de culturas. Além disso, a introdução do conceito de Boas Práticas Agrícolas (BPA), entre os agricultores e o desenvolvimento de um sistema de certificação no âmbito do sistema de qualidade GAP, orientando a atividade agrícola para o mercado, também estão incluídos no projeto, que deverá ser implementado em três anos (Fonte:Business Line).

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Cresce demanda por castanha in natura

Os produtores Vietnamitas, que têm de pagar a 5 para 7,5 % de imposto sobre a importação de castanha in natura, estão trabalhando em desvantagem em relação aos concorrentes indianos, segundo o presidente em exercício da Vietnã Cashew Association (Vinacas), Nguyen Duc Thanh. "Este imposto aumenta os custos de produção e reduz a competitividade da indústria de processamento e exportação de caju ", diz.
Nos últimos 15 anos o Vietnã tem se classificado entre os maiores processadores e exportadores mundiais de amêndoa de castanha de caju (ACC), juntamente com a Índia, Brasil e alguns países africanos.
Na realidade, durante os últimos dois anos, o país empurrou a Índia para o segundo lugar, exportando 153 mil toneladas de ACC, no valor de U$ 650 milhões.
Segundo a Vinacas, como a associação é conhecida, os 200 exportadores do país processam anualmente cerca de 600 mil toneladas de castanha de caju, um terço das quais é importada de outros países (a Índia processa 700 mil toneladas). A Vinacas prevê que este ano os produtores locais enfrentarão uma concorrência acirrada com a indústria indiana na aquisição de matérias-prima considerando o aumento da demanda.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Safra brasileira de castanha de caju 2008

O IBGE divulgou a primeira previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2008, tendo como referência o mês de janeiro. Em relação a 2007, houve uma variação de 107,68% na produção, 1,75% na área plantada, +2,3% na área colhida (hectares) e 103,24% no rendimento (kg de castanha por hectare).Veja mais detalhes no site Cajucultura.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Vietnã lidera a exportação mundial de ACC

De acordo com a Vinacas (Vietname Cashew Association), em 2007 cerca de 200 indústrias processaram mais de 600 mil toneladas de castanha in natura para produzirem 153 mil toneladas de ACC de todos os tipos, 20,6% superior ao ano de 2006.
Os vinte exportadores de ACC do país compartilharam receitas superiores a U$ 650 milhões. Nesse ranking a Índia e o Brasil classificam-se em segundo e terceiro lugares.
No ano passado, Vietnã comercializou a ACC para 40 países e territórios. Os Estados Unidos constituíram o maior mercado, representando mais de 30% do volume total de exportações, 26% a mais do que em 2006. A ACC vietnamita também é consumida em grandes mercados como a China, Holanda, Austrália, Reino Unido e Alemanha.
Ainda segundo a VINACAS, "comparada com a Índia, que pretende promover o consumo local de ACC e enfrenta dificuldades com os recursos humanos, o Vietnã tem muitas outras vantagens, conseguindo exportar 98-99% da sua produção, o que assegura o sucesso da indústria local ".
Perspectivas e desafios
Os processadores vietnamitas preparam-se agora para conquistar o mercado chinês, o maior do mundo. O Vietnã não dispõe atualmente de ACC suficiente para atender a demanda do mercado chinês. O maior problema dos processadores locais é a escassez de matéria-prima. A expansão das áreas cultivadas com cajueiro no país não tem sido suficiente para atender a demanda, levando os processadores a importarem a matéria prima de outros países.
De acordo com a Vinacas, o imposto sobre importação de castanha in natura no Vietnã varia entre 5 e 7%, sendo de 0% na Índia, embora o país isente do imposto sobre a importação de matérias-primas, se o importador conseguir exportar 100% da castanha importada (sob a forma processada) dentro de 275 dias. Segundo aquela associação, dentro deste prazo é muito difícil para as empresas executarem corretamente as formalidades aduaneiras e fiscais para desfrutarem deste benefício, fazendo com que a maioria das empresas continuem pagando o imposto de importação. (Fonte: Lao Dong).

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Preços do Caju-de-Mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 28/01 a 01/02/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Beneficiamento de castanha

O Incra e a Emater do Pará, firmaram uma parceria, e vão construir uma agroindústria para beneficiamento de castanha de caju no município de Ipixuna, naquele estado. A fábrica vai beneficiar também os agricultores dos municípios vizinhos de Paragominas e de Aurora do Pará. As obras começaram nesta semana e a fábrica deve ficar pronta em maio. A região produz 70% da castanha de caju do Estado. Metade desse caju é beneficiado no Ceará e é vendido nos mercados paraenses. Com a agroindústria, o lucro será dividido entres os assentados. A linha de produção da castanha de caju terá a capacidade de processar mil quilos por dia, que vai gerar 22 toneladas de castanha por mês. Outra fonte de renda será a produção de suco de caju e de farinha de polpa da fruta. Os dois produtos já têm destino certo. A prefeitura de Ipixuna se comprometeu a comprar a polpa e a farinha para usar na merenda escolar das escolas públicas do município. A verba para a construção da fábrica vem do projeto Terra-Sol, do Incra, criado em 2004 pelo governo federal. Fonte: Agência Brasil).

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Maior exportador de ACC

A indústria vietnamita de castanha de caju pretende exportar 160 mil t de ACC (amêndoa de castanha de caju) em 2008 (U$680 milhões), segundo informações da VINACAS (Vietnam Cashew Association). Segundo a mesma fonte, o Vietnã deverá permanecer pelo terceiro ano consecutivo como o maior exportador mundial de ACC. O país exporta ACC para 40 países; os EUA, China e Europa são os maiores mercados. As exportações renderam cerca de U$579 milhões nos primeiros onze meses de 2007, 26% a mais do que em 2006.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Frutas geraram US$ 3,3 bi em 2007

Apesar das dificuldades causadas pela valorização do real, a exportação brasileira de frutas segue superavitária. A balança comercial da cadeia de frutas gerou US$ 2,9 bilhões, considerando frutas frescas e processadas. Em 2007 as exportações da cadeia geraram US$ 3,3 bilhões, 45% a mais que em 2006 - US$ 2,3 bilhões.
Com isso, o setor de frutas frescas fechou sua balança comercial superavitária pelo 9º ano consecutivo, atingindo US$ 430 milhões, 44% acima quando comparado com o ano anterior. Foram exportadas 918 mil toneladas, 14% a mais do que no ano anterior - 805 mil toneladas.
Em termos de valor as exportações geraram US$ 642 milhões, 34% acima de 2006 equivalente a US$ 477 milhões. As principais frutas responsáveis por este aumento foram a uva, com crescimento de 43% em valor e 26% em volume; o melão, com aumento de 45% em valor e 18% em volume; a maçã está retomando suas exportações depois de sofrer com problemas climáticos por duas safras seguidas, aumentou em valor 114%, comparado com o ano anterior, e 96% em volume e o limão aumentou em 26% em valor e 13% em volume.
Já o abacaxi cresceu 142% em valor e 62% em volume, devido a entrada de empresas multinacionais que trouxeram a variedade aceita no mercado externo e com isso alavancou o aumentou as exportações principalmente para a Europa. Os processados da fruta também fecharam o ano com saldo positivo com exportações de US$ 2,7 bilhões, representando um aumento de 48% comparado com o ano anterior que gerou divisas de US$ 1,8 bilhão. O suco de laranja continua sendo o grande destaque, pois representa cerca de 82% das exportações de frutas processadas e obteve um aumento de 53% comparado com o ano anterior.
As castanhas também merecem destaque. A castanha de caju ocupa o 2º lugar na pauta de exportações e obteve um aumento de 20% na sua receita, representando US$ 225 milhões. Já a castanha-do-Pará apresentou também um crescimento de 20% este ano.
Os sucos de outras frutas vêm crescendo ano a ano demonstrando a diversidade brasileira. O suco de maçã, por exemplo, teve aumento de 51% e o suco de uva 45%. As exportações brasileiras de frutas frescas se concentram na União Européia, onde representam mais de 70%. A Holanda é o principal comprador do bloco, isto porque o país funciona como um centro re-exportador da UE, distribuindo as frutas para outros países, principalmente para a Alemanha. No entanto, esforços despendidos pelo setor visam descentralizar as exportações à Holanda e aumentar o volume direto para os países de destino. Em 2006 a Holanda representava 32% do volume das exportações, no entanto em 2007 caiu para 31%. Já a Alemanha aumentou de 4% para 5% e a França passou de 1% para 2% (Fonte: Investnews).

Castanha: crescimento africano

Os países do Leste da África prevêem, para este ano, um aumento da produção de castanha de caju, em consequência das chuvas moderadas no Quênia, das reformas introduzidas no setor de cooperativas na Tanzânia e do rápido crescimento rápido dos cajueiros recentemente plantados.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Safra de castanha moçambicana

Desde o início da atual safra (2007/2008) os produtores de castanha de caju moçambicanos já comercializaram 72 mil t de um total esperado de 85 mil t, segundo dados do Instituto Nacional do Caju (Incaju). A maior área produtora, a província de Nampula, na primeira semana de janeiro já havia comercializado 40.800 t (mais de 90% da produção esperada de 45 mil t).Em 2007 foram colocadas no mercado 74.970 t de castanha de caju, tendo 27% (20.280 t) sido absorvidas pela indústria moçambicana.

sábado, 19 de janeiro de 2008

Safra de castanha de caju 2007

O IBGE divulgou a décima-segunda previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2007, tendo como referência o mês de dezembro. Em relação a 2006, houve uma variação de -43,59% na produção, +3,09% na área plantada, +3,13% na área colhida (hectares) e -45,27% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

sábado, 5 de janeiro de 2008

Preços do caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 02 a 04/01/2008 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.