domingo, 25 de novembro de 2007

LCC extraído por radiação solar

Durante o Seminário Nacional sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Mercado, ocorrido esta semana, promovido pelo Indian Council for Agricultural Research (ICAR), o Dr Vijay Mehta, vice chanceler da Konkan Krishi Vidyapeeth, afirmou ter desenvolvido um protocolo para extração do LCC usando radiação solar. O projeto foi financiado pelo Banco Mundial. Outro tema discutido pelo Diretor do ICAR, Dr V S Korikanthimath, foi a necessidade de maiores estudos visando o aproveitamento do pseudofruto na produção de etanol. Na Índia o pseudofruto é usado apenas para a produção de um destilado denominado `feni’ em Goa (Fonte: The Navhind Times).

sábado, 17 de novembro de 2007

Crescem exportações de ACC vietnamitas

Mais de 111 mil t de Amêndoa de Castanha de Caju - ACC foram exportadas este ano pelo Vietnã, que faturou o equivalente a U$ 466 milhões. Maior exportador mundial de ACC, o Vietnã exporta o produto para mais de 40 países e territórios. Os EUA absorvem 40% das exportações vietnamitas, seguidos pela China (20%) e países europeus (20%). Outros mercados, como o Japão e o Oriente Médio também são contemplados. No Vietnã os preços de exportação este ano foram em média de U$ 4.184 por tonelada, representando um incremento acima de 192% em relação ao ano passado (Fonte: Vietnam Agency)

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Cai produção de castanha

O IBGE divulgou a décima previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2007, tendo como referência o mês de outubro. Em relação a 2006, houve uma variação de -15,28% na produção, +3,07% na área plantada, +3,15% na área colhida (hectares) e -17,75% no rendimento (kg de castanha por hectare). Veja mais detalhes no site Cajucultura.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Caju-de-mesa

Veja no site Cajucultura os preços de venda do caju de mesa (no atacado) praticados na semana de 29/10 a 01/11/2007 em algumas Centrais de Abastecimento do país onde o produto é comercializado.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Fósseis de castanha de caju

Fósseis de castanhas de caju com idade de 47 milhões anos foram usados para provar que a Europa foi uma importante rota entre a África e a América do Sul. Os fósseis foram descobertos em sedimentos de um antigo lago na Alemanha, revelando que o gênero Anacardium foi uma vez distribuído na Europa - distante de sua moderna distribuição nativa nas Américas do Sul e Central.
Já havia sido proposto anteriormente que o gênero Anacardium e o seu gênero irmão africano Fegimanra, divergiram de seu ancestral comum quando as massas de terra da África e América do Sul se separaram. Porém, os novos dados indicam que a Europa pode ter sido um importante link biogeográfico entre a África e o Novo Mundo.
A ocorrência do cajueiro na Europa e América Tropical sugere que a planta foi distribuída na América do Norte e Europa durante o período Terciário e disseminados através do Atlântico Norte por uma faixa de terras que ligou América do Norte e a Europa, via Greenland, antes da fratura e a separação desses territórios.
O trabalho completo (em inglês) aparece na edição de outubro do International Journal of Plant Sciences.